WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘Geddel’

OS VIEIRA LIMA SÓ OBSERVAM

Ricardo Ribeiro

Os irmãos Vieira Lima – Geddel e Lúcio – não se manifestaram após o calundu do PMDB itabunense, diante do convite feito por Lúcio para que o ex-deputado e ex-prefeito de Itabuna Geraldo Simões se filiasse ao partido.

Geraldo também está quieto, na muda. Diz que se encontra em momento de reflexões para decidir o caminho que irá tomar.

Já no ninho peemedebista, o clima é de alvoroço. Houve quem chamasse Lúcio Vieira Lima de irresponsável e lhe cobrasse explicações, e teve também gente afirmando que o diretório municipal tem autonomia para tocar sua própria vida, sem se submeter a decisões “de cima para baixo”.

A gritaria chega aos irmãos Vieira Lima, mas eles optaram pelo silêncio. Uma mudez que, com todo respeito aos peemedebistas itabunenses, não parece de aceitação, mas de desdém.

Aliás, vale o registro de que a posição contrária à filiação de Geraldo Simões pode não ter a imaginada unanimidade no PMDB local. Uma forte liderança do partido na cidade diz, à boca pequena, que não dá para se entregar assim de bandeja ao ex-deputado, mas – a depender do rumo dos acontecimentos, numericamente falando – tudo pode se ajeitar no tempo certo.

A paciência anda ao lado da política e é com ela que os irmãos Vieira Lima jogam para apascentar os inquietos com a filiação de Geraldo. É certo também que o ex-deputado tem outros partidos para se abrigar, caso venha realmente a sair do PT, mas é difícil imaginar que será a rejeição do diretório local do PMDB que o impedirá de entrar nesta sigla.

Outra máxima bastante apreciada na política é a de que a força maior cessa a menor. Geddel e Lúcio agem com a tranquilidade de quem tomará a decisão que quiser, quando quiser.

PESQUISA IBOPE APONTA SOUTO NA LIDERANÇA

souto-lid-rui

Correio

Se a eleição para governador da Bahia fosse hoje, Paulo Souto seria o escolhido no primeiro turno com 42% dos votos, mais do que a soma das intenções dos outros quatro candidatos (23%), revela a primeira pesquisa Ibope/CORREIO para o pleito de outubro.

Pré-candidato da aliança de oposição ao governo Jaques Wagner (PT) que reúne, entre outros, DEM, PMDB e PSDB, Souto larga na frente na pesquisa estimulada, 31 pontos percentuais diante da senadora Lídice da Mata (PSB) que tem 11% das intenções de votos apuradas. O pré-candidato da situação, Rui Costa, seria o terceiro, com 9%. Lídice e Costa estão tecnicamente empatados. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Os demais pré-candidatos são Rogério da Luz (PRTB), com 2%, e Marcos Mendes (PSOL), com 1% das intenções de votos.

Leia mais

LEÃO DIZ QUE GEDDEL ESTÁ COM MEDO

Com seu humor peculiar, João Leão (PP), pré-candidato a vice-governador na chapa do petista Rui Costa (PT), respondeu à suposição de que ele teria desistido da peleja eleitoral.

O boato se espalhou a partir de um “twit” de Geddel Vieira Lima (PMDB), pré-candidato ao Senado na chapa encabeçada por Paulo Souto (DEM).

Em sua página na rede social, Geddel informou que recebera ligação dando conta da desistência de Leão. A resposta veio jocosa, como é bem do estilo do pepista:

“Está com medo de perder, Bonitão! Você sabe da força do Leão!”, provocou o pré-candidato, com ares de rei da selva. Ele ainda aproveitou para corrigir um erro de digitação cometido por Geddel, que escreveu “dabe” em vez de “sabe”.

Também pelo Twitter, e no mesmo tom, Geddel agradeceu a errata:

 “Corrigindo ñ é dabe, é sabe. Obrigado Bonitão rsrsrs”

resposta leao

replica geddel

NO GRUPO DE RISCO DA WHATSAPPITE

Ricardo RibeiroRICARDO RIBEIRO – ricardorib.adv@gmail.com

Havia muito mais contato na política de antigamente. Comícios, corpo a corpo, subir morro, descer ladeira, tomar café em copo de massa de tomate… Tudo isso se torna, cada vez mais, coisa do passado.

Os comícios eram o ápice das campanhas, o momento em que o candidato exercitava sua oratória – ou revelava a falta dela – e tinha a oportunidade de estar frente a frente com uma razoável massa de eleitores. Posteriormente, talvez em função do desprestígio dos discursos e promessas não cumpridas, vieram os showmícios, nos quais a atração principal não era mais a política, mas a festa oferecida após o falatório.

Com o passar do tempo, o contato mais próximo foi perdendo espaço para o palanque eletrônico, que ainda hoje reina como ferramenta do marketing eleitoral. No rádio e na TV, o candidato fala para milhões de eleitores, o que é extremamente útil, ainda mais quando se trata de disputas estaduais e federais.

Como reforço do palanque eletrônico, surgiram mais recentemente as mídias sociais. Há pelo menos cinco anos, elas ganharam status elevado na política em todo o mundo. As caquéticas ditaduras do oriente destruídas a base de tuitadas e posts compartilhados no Facebook, e as mobilizações populares catalisadas pela internet no Brasil são dois bons exemplos de como as redes sociais passaram a influenciar nossas atitudes e tudo o que nos rodeia.

Os políticos, naturalmente, percebem a onda e procuram surfar. Para eles, utilizar as redes hoje se tornou mais que necessário, pois é praticamente uma questão de sobrevivência. Não é à toa que, no afã de estar conectados, alguns pré-candidatos não conseguem desgrudar de seus smartphones nem mesmo quando se encontram frente a frente com os eleitores.

Os irmãos peemedebistas Lúcio e Geddel Vieira Lima, por exemplo, são tuiteiros inveterados e é comum vê-los em algumas solenidades completamente mergulhados na rede. Outro que costuma ficar totalmente envolvido com seu brinquedinho de dedo é o pré-candidato ao governo baiano pelo PT, Rui Costa. Enquanto os “companheiros” discursam, o homem presta a maior atenção… no celular, naturalmente.

Foi-se o tempo no qual os políticos aproveitavam cada momento daquele contato efêmero com o eleitor para fazer acenos, distribuir sorrisos e se agachar à beira do palanque para receber os indefectíveis bilhetinhos. Era o ritual antigo para criar uma aproximação e estabelecer empatia com o eleitor, mas este hoje dificilmente consegue um olho no olho com quem lhe pede o voto.

RICARDO RIBEIRO é advogado e editor do BA24Horas.

SEGUNDO BN, SOUTO SERÁ O CANDIDATO DA OPOSIÇÃO

soutoBahia Notícias

O prefeito ACM Neto (DEM) pode adiar mais uma vez o anúncio da chapa das oposições que disputará as eleições estaduais deste ano, previsto para até a próxima sexta-feira (4), embora a cabeça da coligação já esteja definida: o seu correligionário e ex-governador Paulo Souto. Apesar de ainda haver a possibilidade de convocação de coletiva para a confirmação oficial no último dia útil da semana, o Bahia Notícias apurou que o democrata avalia a possibilidade de postergar o evento. A medida seria para ganhar tempo de convencer Geddel Vieira Lima (PMDB) – que perdeu a disputa para Souto, após análise de “critérios objetivos” estabelecidos em pesquisas – a integrar o grupo e aguardar o seu posicionamento.

Leia mais

O BOM CABRITO NÃO BERRA

O peemedebista Geddel Vieira Lima e o pedetista Marcelo Nilo viveram situações parecidas nessa fase de arrumações do processo sucessório. O primeiro quer porque quer encabeçar a chapa oposicionista; o segundo pleiteava o segundo posto na chapa encabeçada pelo PT.

Pretensões à parte, o que chama atenção nos dois é a diferença de estilos. Nilo esperou calado e, quando chegou perto da chamada “hora da onça beber água”, antecipou somente ao governador Jaques Wagner o que faria se fosse preterido. Não alardeou nem fez ameaças públicas.

Geddel, pelo contrário, faz uma pressão danada para ser o candidato ao governo pelo bloco oposicionista. Para isso, atua como lutador de vale-tudo e a principal arma do peemedebista tem sido a ameaça. Ele afirma, não para os envolvidos na decisão, mas para o mundo, que será candidato de qualquer maneira, podendo até rachar se não for o escolhido.

A postura do peemedebista deixa a oposição em uma bela saia justa. Hoje, ACM Neto se vê na seguinte situação: se escolhe Paulo Souto, corre o risco de ver seu grupo dividido e enfraquecido; se opta por Geddel, deixará claro que o faz por temer as bravatas do aliado. Ou seja, a candidatura não nasceria com a marca do desejado consenso, mas sim da coação.

Tudo isso porque Geddel optou por tornar públicas suas ameaças, numa fase do processo em que as articulações pedem discrição e sobriedade.

GEDDEL DIZ QUE SERÁ CANDIDATO. SERÁ?

geddel

Se o “árbitro” ACM Neto anda a cometer atos falhos e já chama Paulo Souto (DEM) de governador, o peemedebista Geddel Vieira Lima faz a sua parte para manter em elevada temperatura o ambiente que envolve a escolha do candidato oposicionista à sucessão de Jaques Wagner.

Neste sábado, 29, Geddel reuniu-se com representantes de oito partidos nanicos e afirmou que será candidato. De acordo com o presidente do PTC, Ricardo Grey, o peemedebista teria feito um discurso “de inflamar”. 

Como não é menino, Geddel sabe que nessa disputa quem der um passo para trás ou demonstrar que cansou da queda de braço já perdeu. Ao afirmar que é candidato, o cacique do PMDB baiano alimenta o receio de Neto com relação a um possível racha no bloco.

Há quem aposte que, mesmo não sendo escolhido pelo prefeito de Salvador para encabeçar a majoritária, Geddel  ficará com o grupo (ainda que contrariado). Um possível rompimento ocorreria se ele conseguisse formar uma chapa competitiva, atraindo, por exemplo, Lídice da Mata (PSB) para vice.

Se ela topar, a afirmação da candidatura geddelista poderá ser algo mais que uma simples bravata. Ou mera “farromba”, como se diz na Bahia…

NOVELA DO CANDIDATO ESTÁ PARA TERMINAR

ACM Neto "prende a bola" para manter a unidade do time

ACM Neto “prende a bola” para manter a unidade do time

As cólicas dos oposicionistas com a indefinição de seu candidato ao governo baiano deverão ter um fim na próxima semana. Pelo menos é isso que assegura o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), o árbitro do processo sucessório na oposição.

Ainda não é possível saber quem será o cabeça da chapa majoritária do bloco, ficando os prognósticos por conta das torcidas. Há o grupo que torce e aposta todas as fichas em Geddel Vieira Lima (PMDB); há outro que afirma que o candidato será Paulo Souto (DEM).

O que ACM Neto não quer é correr o risco de investir em uma candidatura e acabar esbarrando em duas. No caso, o preterido poderia romper e entrar no páreo, dificultando a vida dos oposicionistas. Por isso, Neto afirma que não está perdendo tempo, mas investindo para conseguir um bom resultado.

A promessa do prefeito é de que o candidato será anunciado entre quarta e sexta-feira da próxima semana. Ontem (dia 27), Neto teve longa conversa com Souto e Geddel, sendo bastante provável que entre eles já esteja tudo bem acertado, ou quase isso.

INDEFINIÇÃO CONTINUA NA OPOSIÇÃO DA BAHIA

ACM Neto ameniza possíveis prejuízos cm a indefinição.

ACM Neto ameniza possíveis prejuízos com a indefinição
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

A oposição ainda não definiu quem será o candidato adversário do governista Rui Costa (PT) nas próximas eleições. Até o momento, dois nomes continuam na briga: o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) e Paulo Souto (DEM), de acordo com informações do Tribuna da Bahia.

Apesar da indefinição, o prefeito de Salvador, ACM Neto não acredita que isso será prejudicial a base. “Março ainda não acabou. Eu quero repetir que não estou com pressa. Não temos ainda um consenso interno. Vou estender ao máximo a conversa até formar um consenso. Não vai ser um dia a mais ou um dia a menos, a essa altura do campeonato, que trará nenhum prejuízo ao processo”, afirmou Neto, cerimônia de posse do novo secretário Luiz Carreira.

Os pré-candidatos também evitam qualquer comentário sobre o assunto. Geddel disse, apenas, “Não tenho nada a declarar”, e Souto minimizou a importância do tempo para a decisão. “Quem foi que falou em prazo de dez dias a partir do dia 10? Isso não é questão matemática”, rebateu.

Enquanto isso, na base governista a dúvida é com relação a escolha do vice de Rui Costa. O deputado federal João Leão (PP) pode ser anunciado até sábado.

MARCELO NILO COM A OPOSIÇÃO

"Onde está Wally? "

“Onde está Wally? “

Marcelo Nilo (PDT) está praticamente descartado como opção para vice de Rui Costa (PT) e nesta quarta-feira, 12, sentou-se entre Geddel Vieira Lima (PMDB) e o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

Mas muita muita calma nessa hora! A foto, publicada originalmente no Bahia Notíciasé da posse do novo chefe da Casa Civil da Prefeitura de Salvador, Luiz Carreira, de quem Nilo é amigo.

Aparecer entre Neto e Geddel foi só uma coincidência. Que, naturalmente, ajudou a fomentar o fuxico político baiano.

ELEITOR DE NETO PREFERE SOUTO

Nota publicada na edição desta quarta-feira, 26, do jornal A Tarde, coluna “Tempo Presente”, informa que um dos quesitos que favorecem o ex-governador Paulo Souto (DEM) como opção para disputar o Governo do Estado é a preferência dos eleitores do prefeito de Salvador, ACM Neto.
.
Segundo a coluna, 80% dos eleitores de Neto dizem que votariam em Paulo Souto. Por outro lado, apenas metade afirma que escolheria Geddel Vieira Lima (PMDB), caso ele fosse indicado pelo prefeito.
.
A disputa pela cabeça de chapa das oposições tem propiciado momentos de tensão, principalmente entre o PMDB e o PSDB, que já se posicionou a favor de Paulo Souto. A definição só deve sair após o Carnaval.

IRRITAÇÃO NO PMDB

A inclinação explícita do PSDB pelo nome de Paulo Souto (DEM) como candidato da oposição ao governo da Bahia irritou o PMDB. O partido, que tem Geddel Vieira Lima com pretensão a encabeçar a chapa majoritária, dá sinais de que não entregará o lugar na janela assim tão pacificamente.

Segundo a coluna Raio Laser, da Tribuna, o deputado estadual Luciano Simões, que faz parte da “tropa de choque” do PMDB, chegou a sugerir que o PSDB se afaste da chapa oposicionista, a fim de permitir que outras legendas se animem a integrar o bloco.

Ou seja, a ideia de que  a oposição está unida no mesmo propósito e que o preterido apoiará de bom grado o preferido é pura fantasia. Na real, o bicho tá pegando.

TUCANOS PREFEREM PAULO SOUTO

Jutahy quer Paulo Souto para o governo e Geddel para o Senado

O tucanato baiano demonstrou que prefere Paulo Souto (DEM) como candidato à sucessão de Jaques Wagner. A preferência foi enfatizada pelo deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB), em entrevista ao jornal A Tarde.

Para o tucano, Souto é o melhor nome para disputar o governo e Geddel  (PMDB) fica bem como postulante ao Senado. O peemedebista não concorda nem um pouco com a opção, mas aguarda que o prefeito de Salvador, ACM Neto, “árbitro” do processo, profira sua sentença.

Seja qual for o caminho, Jutahy acredita que a oposição estará unida em 2014.




dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia