WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘PT’

MORO CONDENA JOÃO SANTANA A 8 ANOS E 4 MESES DE PRISÃO

O casal de marqueteiros foram responsáveis pelas campanhas presidenciais de Lula e Dilma (Foto: Cassiano Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo)

O casal de marqueteiros foram responsáveis pelas campanhas presidenciais de Lula e Dilma (Foto: Cassiano Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo)

O juiz federal Sérgio Moro condenou nesta quinta-feira (2) o marqueteiro do PT João Santana e sua mulher e sócia, Mônica Moura, pelos crimes de lavagem de dinheiro no esquema de corrupção na Petrobrás, alvo da Operação Lava Jato.

Foram condenados ainda o ex-presidente da Sete Brasil João Carlos de Medeiros Ferraz, o ex-executivo da empresa e ex-gerente da Petrobrás Eduardo Musa e o lobista Zwi Skornicki. O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto também estão entre os condenados.

Segundo a denúncia da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, os envolvidos acertaram propinas do Grupo Keppel Fels em contratos de plataformas e navios-sondas da Petrobrás.

Santana foi preso em fevereiro de 2016, alvo da Operação Acarajé. O casal de marqueteiros do PT foi solto em agosto, depois de iniciar tentativa de delação premiada e pagar fiança de R$ 2,7 milhões. Responsáveis pelas campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014), os dois ainda negociam com a força-tarefa um acordo.

Com informações do Estadão

LIDERANÇAS DO PT NA BAHIA REALIZAM ENCONTRO E DEFENDEM MUDANÇAS NO PARTIDO

Rumos do PT são discutidos no Encontro Estadual.

Rumos do PT são discutidos no Encontro Estadual.

O Encontro Estadual do Partido dos Trabalhadores realizado neste sábado (14) em Lauro de Freitas, não foi suficiente para que as forças políticas definissem o posicionamento em relação ao comando da legenda na Bahia.

Um dos grupos é liderado pelos deputados Marcelino Galo, Jorge Solla, pelos ex-deputados Amauri Teixeira e Yulo Oiticica e pela ex-vice prefeita de Salvador, Bete Wagner. A avaliação do grupo só deve ser oficializada no Seminário Estadual previsto para acontecer no dia 28 de janeiro em Salvador.

“O PT tem que fortalecer sua democracia interna, garantir a participação e controle de sua militância nas instâncias, e essas forças que hegemonizaram o partido no último período também precisam fazer uma autocritica”, afirmou o deputado Marcelino Galo, que presidiu o partido entre 2005 e 2007.

Na opinião do deputado Jorge Solla, o Partido dos Trabalhadores continua a ser a alternativa de desenvolvimento e inclusão social do Brasil. “Urge a necessidade de acelerar e acalorar os debates, autocríticas e reposicionamentos necessários para reconstruirmos o projeto partidário e retomarmos a credibilidade e confiança da maioria da população”, acrescentou.

Também participaram do evento, o ex-governador Jaques Wagner e a prefeita de Laura de Freitas, Moema Gramacho.

Ao final do encontro, um documento, com propostas de programa para o PT, foi redigido para ser apresentado no Congresso da legenda.

REFORMA MINISTERIAL: MINISTRO DA SAÚDE É DEMITIDO POR TELEFONE

Chioro é o primeiro a cair com a reforma ministerial. (Foto: EBC)

Chioro é o primeiro a cair com a reforma ministerial. (Foto: EBC)

A Reforma ministerial, que está sendo tratada pelo Palácio do Planalto, deve ser anunciada nesta quinta-feira (1º). O PMDB, que atualmente ocupa seis pastas, deve passar a comandar sete ministérios. Um deles é o Ministério da Saúde, que confirmou a saída de Arthur Chioro (PT). Por telefone, a presidente Dilma informou ao ministro que ele deixaria o cargo.

De acordo com nota do Ministério da Saúde, “Arthur Chioro tem conversado com a presidenta Dilma Rousseff sobre as articulações envolvendo a pasta na reforma ministerial. Na última quinta-feira (24), o ministro esteve com a presidenta para tratar do assunto e, nesta terça-feira (29), novamente, conversaram sobre o mesmo tema por telefone”, informa.

PCdoB ROMPE COM O PT EM CONQUISTA

Deputado prepara candidatura ao governo conquistense

Deputado prepara candidatura ao governo conquistense

Parceiros no governo municipal desde 1997, PCdoB e PT não caminham mais juntos em Vitória da Conquista. O rompimento foi oficializado neste sábado, 4, conforme nota pública distribuída pelo diretório comunista.

Na nota, o PCdoB faz um histórico da aliança com os petistas e justifica o desligamento como uma consequência da indisposição do prefeito Guilherme Menezes, em seu atual mandato, para dialogar com os partidos, a Câmara de Vereadores e sociedade civil.

Para os comunistas, o governo “estabeleceu um fechamento do diálogo partidário com o PCdoB e com outros segmentos da sociedade conquistense, o que resultou numa carência cada vez maior de um debate mais amplo com todos os que se comprometem com o desenvolvimento do nosso município”.

Como pano de fundo desse desenlace entre PT e PCdoB, está a intenção do deputado estadual Fabrício Falcão de se candidatar à sucessão de Guilherme. “O PCdoB se apresenta a este novo momento como protagonista através dos seus quadros, a exemplo do Deputado Estadual Fabrício Falcão, mas, abertos às demais forças vivas de Conquista para um diálogo construtivo de alternativas de projetos e nomes com a coerência e lealdade que marcam nossa conduta sempre respeitosa com os parceiros”, diz a nota.

GERALDO BUSCA ALIANÇA COM AZEVEDO

casamento inusitado

Os padrinhos e os noivos. Será que esse casamento sai?

Uma composição política inusitada se encontra em fase de ensaio em Itabuna. Trata-se da formação de uma chapa majoritária que pode reunir o (ainda) petista Geraldo Simões e o Capitão Azevedo, (ainda) do DEM. A costura é feita a várias mãos e sob o entusiamo do vereador Ruy Machado (PTB), do jornalista José Adervan e do advogado Allah Góes.

Em entrevista concedida recentemente ao blog Pimenta, Geraldo admitiu a possibilidade de conversar tanto com Azevedo como como Fernando Gomes, político que no passado ele combatia e criticava. Esse é o resultado das reflexões que ele diz ter feito após a derrota na disputa pela reeleição para a Câmara Federal.

Na mesma entrevista, o petista fez diversas críticas à situação da cidade, principalmente na área da saúde, desconsiderando o fato de que seus novos amigos foram responsáveis por grande parte do descalabro a que Itabuna chegou.

A incoerência do ex-deputado foi apontada de modo muito perspicaz pelo Blog do Gusmão, em análise que merece uma leitura atenta (clique aqui para conferir). Interessante é que em um momento no qual a sociedade clama por uma limpeza nos ares da política, Geraldo caminha em sentido contrário, buscando alianças esdrúxulas e incorporando o pensamento de que os fins justificam os meios.

O que uma sucessão de derrotas não faz…

“EU JURO QUE NÃO SABIA DE NADA!”

pedro arnaldoPEDRO ARNALDO MARTINS

Ao ler a manchete “O PT roubou demais e se esgotou”, da recente entrevista do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, a visão que me vêm à cabeça é da o saudoso Leonel Brizola (22.01.1922 – 21.06.2004), líder inconteste de uma geração de revolucionários, político honrado, homem de bem. Na citada visão, deparo-me com Brizola girando no túmulo discordando das afirmações de Lupi.

Ao afirmar que “a gente não quer ser um rato, que foge do porão do navio quando entra a primeira água, mas também não queremos ser o comandante do Titanic, que ficou no barco até ele afundar”, o pedetista parece se contradizer. Pois, até onde se tem público o mesmo foi expurgado do ministério e, mesmo sendo o avalizador do atual ministro do Trabalho, Manoel Dias, não se pode dizer que a participação do ex-ministro no “governo corrupto” foi passiva aos muitos doces que adoçaram a boca de tantas crianças do governo e do Planalto.

As afirmações do ex-ministro do Trabalho levam a duas reflexões. A primeira, de que roubar pouco pode, desde que, também seja sócio da “fábrica de chocolate”. E a segunda, que parece que só agora o presidente nacional do PDT descobriu que o PT rouba, ou que isso só está acontecendo no governo Dilma, isentando o “naco” de responsabilidade de Lula. Daí, de imediato, lembra-me uma frase do ex-presidente Luiz Inácio: “eu não sabia de nada!”.

O que no mínimo se esperava após a entrevista era uma reação dos petistas às afirmativas de Carlos Lupi, seja uma indignação, seja uma posição mais firme contra o PDT, nesse momento em que o governo aventa uma redução dos ministérios, ou até mesmo uma cara feia. Nada! Parece que os membros do Partido dos Trabalhadores começam a perceber que a casa caiu. Perguntar não ofende: quem cala, consente?

 

Pedro Arnaldo Martins é presidente do Diretório do PMDB de Itabuna.

OS VIEIRA LIMA SÓ OBSERVAM

Ricardo Ribeiro

Os irmãos Vieira Lima – Geddel e Lúcio – não se manifestaram após o calundu do PMDB itabunense, diante do convite feito por Lúcio para que o ex-deputado e ex-prefeito de Itabuna Geraldo Simões se filiasse ao partido.

Geraldo também está quieto, na muda. Diz que se encontra em momento de reflexões para decidir o caminho que irá tomar.

Já no ninho peemedebista, o clima é de alvoroço. Houve quem chamasse Lúcio Vieira Lima de irresponsável e lhe cobrasse explicações, e teve também gente afirmando que o diretório municipal tem autonomia para tocar sua própria vida, sem se submeter a decisões “de cima para baixo”.

A gritaria chega aos irmãos Vieira Lima, mas eles optaram pelo silêncio. Uma mudez que, com todo respeito aos peemedebistas itabunenses, não parece de aceitação, mas de desdém.

Aliás, vale o registro de que a posição contrária à filiação de Geraldo Simões pode não ter a imaginada unanimidade no PMDB local. Uma forte liderança do partido na cidade diz, à boca pequena, que não dá para se entregar assim de bandeja ao ex-deputado, mas – a depender do rumo dos acontecimentos, numericamente falando – tudo pode se ajeitar no tempo certo.

A paciência anda ao lado da política e é com ela que os irmãos Vieira Lima jogam para apascentar os inquietos com a filiação de Geraldo. É certo também que o ex-deputado tem outros partidos para se abrigar, caso venha realmente a sair do PT, mas é difícil imaginar que será a rejeição do diretório local do PMDB que o impedirá de entrar nesta sigla.

Outra máxima bastante apreciada na política é a de que a força maior cessa a menor. Geddel e Lúcio agem com a tranquilidade de quem tomará a decisão que quiser, quando quiser.

PEEMEDEBISTAS LOCAIS REJEITAM GERALDO

Geraldo Simões recebeu convite do deputado federal Lúcio Vieira Lima, mas os peemedebistas locais querem barrá-lo

Geraldo Simões recebeu convite do deputado federal Lúcio Vieira Lima, mas os peemedebistas locais querem barrá-lo

O ex-deputado federal e ainda petista Geraldo Simões enfrenta um momento delicado em sua careira política. Podado pelos caciques estaduais de seu partido, Geraldo tem cogitado mudar de sigla e uma das portas que lhe foram abertas é a do PMDB, convite feito pelo deputado Lúcio Vieira Lima.

O problema é que no partido de Lúcio, Geraldo encontra uma situação semelhante à que ele vivencia no PT, só que com os polos invertidos.

Explica-se: no PT, o ex-deputado é limado pela executiva estadual, mas tem o apoio dos dirigentes locais, até porque controla o diretório; no PMDB, ocorre o contrário: Geraldo conta com o aval dos Vieira Lima, mas é rejeitado pelos peemedebistas locais.

A rejeição ao petista ficou muito clara nesta terça-feira, 7, durante reunião de membros locais do PMDB, entre eles o radialista Val Cabral, inimigo declarado de Geraldo Simões. O nível do entrevero desses dois personagens é tamanho que imaginá-los como correligionários não é um exercício dos mais fáceis.

Fato é que a reunião peemedebista externou a insatisfação dos integrantes do partido em Itabuna diante do convite feito por Lúcio Vieira Lima. Val Cabral chegou a chamar o cacique de seu partido de “irresponsável”. Outro membro, o servidor público Bebeto, cogitou a possibilidade do convite ter sido uma “pilhéria” ou malvadeza do deputado para colocar mais lenha na fogueira da briga entre Geraldo e o PT estadual. O presidente do diretório municipal do PMDB, Pedro Arnaldo, teria dito que o projeto do partido não se harmoniza com os propósitos de Geraldo Simões.

Outros que se manifestaram contra uma possível filiação foram o comerciante Babá Cearense, o médico Renato Costa, o engenheiro Fernando Vita e o vereador Antônio Cavalcante.

É esperado para esta quarta-feira, na sessão plenária da Câmara Municipal, um pronunciamento do vereador, no qual ele dirá que, à unanimidade, os peemedebistas itabunenses não aceitam o ex-deputado em suas fileiras. Até uma desfiliação em massa é cogitada, na hipótese do diretório estadual insistir no convite.

CONVITE DO PMDB A GERALDO SIMÕES SINALIZA QUE FERNANDO NÃO SERÁ CANDIDATO

Convite do PMDB a Geraldo pode indicar descarte de Azevedo e Fernando

PMDB convida Geraldo para se filiar. Azevedo e Fernando talvez não sejam mais opções

Conforme noticiado no programa Resenha da Cidade (da Rádio Difusora de Itabuna) e no blog Políticos do Sul da Bahia, o PMDB demonstra interesse em atrair o ex-deputado federal Geraldo Simões (PT) para suas fileiras. Geraldo está insatisfeito com seu partido e tem considerado a hipótese de se desfiliar.

Para observadores do cenário político itabunense, o convite feito pelo deputado federal Lúcio Vieira Lima ao petista sinaliza que o PMDB vê como remota a possibilidade de ter o ex-prefeito e peemedebista Fernando Gomes como candidato. Por isso a opção por Geraldo.

Outro nome que o PMDB pode estar descartando é o do também ex-prefeito Capitão Azevedo, hoje no DEM. Azevedo já cogitou algumas  vezes uma possível mudança para o partido dos irmãos Vieira Lima, mas a migração nunca se concretizou. Nos bastidores, o democrata é visto como um político indeciso, o que gera desconfiança.

Geraldo confirmou o convite, que classificou como uma “delicadeza” do ex-colega de Câmara. No entanto, afirmou que está em fase de reflexões e ainda não decidiu se sai ou se fica no PT.

PT ITABUNENSE REÚNE MILITÂNCIA

Plenaria_PT_Elen_mesa_28_03_14

Militantes do PT itabunense se reuniram neste sábado, 28, em uma plenária de formação política realizada na Câmara de Vereadores. No encontro, predominou o discurso de defesa do partido e dos programas sociais implantados  pelos governos Lula e Dilma Rousseff.

A atividade contou com a presença da secretária estadual de formação política do PT, Elen Coutinho, que deu o mote para a defesa do governo. “Precisamos fortalecer o PT e as conquistas da  população, fruto das lutas  e das políticas acertadas dos nossos governos”, afirmou.

Estiveram também no encontro os vereadores Paulinho do INSS e Júnior Brandão,  o secretário estadual de finanças do PT, Murilo Brito, e o ex-deputado federal Geraldo Simões. A plenária foi coordenada por Flávio Barreto, presidente do diretório municipal da sigla.

Para o ex-deputado, as gestões petistas foram as que mais implementaram políticas públicas em favor da parcela mais pobre da população. Geraldo Simões disse ainda que há uma ação orquestrada para interromper o governo Dilma e para impedir que Lula reconquiste o Planalto em 2018, o que seria um “esforço dos partidos da  direita, de parte do judiciário  e da  base aliada”.

Ainda durante a plenária, houve a formalização de novas filiações ao partido e a defesa de que o PT tenha candidato próprio nas próximas eleições municipais. O tema divide o partido, já que a executiva estadual tende a abonar a candidatura que estiver mais forte dentro do arco de alianças que apoia o governo Rui Costa. Já o diretório municipal defende o nome de Geraldo Simões, que já governou Itabuna em duas ocasiões, como representante da legenda em nova disputa pela Prefeitura.

GERALDO CONTA COM O PSB

Geraldo tenta reeditar aliança de 1992

Geraldo tenta reeditar aliança de 1992

Vinte e três anos após conquistar a prefeitura de Itabuna pela primeira vez, em uma chapa formada apenas pelo PT e o PSB, Gerado Simões tenta reeditar a mesma composição, visando chegar novamente ao governo municipal.

No campo de centro-esquerda, o PSB é por enquanto o único partido com chances de se aliar ao ex-prefeito. Entre os fatores que indicam essa possibilidade, estão o bom relacionamento entre Geraldo e a senadora Lídice da Mata, e a resistência do governo estadual à candidatura do petista.

Ou seja, como oposição ao governo Rui Costa, o PSB pode ironicamente acabar apoiando o candidato do PT em Itabuna.

DAVIDSON MAGALHÃES CUTUCA O PT

davidsonmagalhaesConforme publicação do site Políticos do Sul da Bahia, o deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB) não perdeu a oportunidade de esculachar o PT de Itabuna durante entrevista concedida hoje ao programa Resenha da Cidade, da Difusora AM.

Questionado sobre um possível apoio do PT à reeleição do prefeito Claudevane Leite, Magalhães afirmou que o partido do ex-deputado Geraldo Simões deveria analisar o quadro sucessório olhando no retrovisor. Ou seja, relembrando as eleições de 2012, quando o PT saiu das urnas com minguados 16 mil votos, em um humilhante terceiro lugar.

A cutucada foi mais incisiva quando o parlamentar foi questionado sobre a viabilidade do PT ocupar o posto de vice na chapa encabeçada por Claudevane. Segundo o deputado, não existe essa possibilidade, porque “o PCdoB de Itabuna é maior que o PT”.

 

PT DA BAHIA NÃO IMPEDIRÁ CANDIDATURA DE GERALDO

Geraldo poderá ser candidato pelo PT, mas o cenário é bastante complicado

Geraldo poderá ser candidato pelo PT, mas o cenário é bastante complicado

A reunião do diretório estadual do PT, programada para o próximo fim de semana, definirá os critérios para a política de alianças do partido para 2016.  Fontes ligadas à executiva afirmaram ao BA24Horas que a legenda não deve barrar a candidatura de filiados, mas indicará o apoio a quem estiver melhor posicionado nas pesquisas de intenção de voto, considerando os candidatos de partidos da base de sustentação do governador Rui Costa.

Essa determinação valerá inclusive para as 35 maiores cidades, nas quais o diretório estadual se coloca como árbitro da sucessão municipal. No caso de Itabuna, isso significa que o ex-prefeito e ex-deputado Geraldo Simões, caso deseje, poderá ser candidato pelo PT. Mas a máquina do governo do estado poderá trabalhar para outro nome da base – por exemplo, o prefeito Claudevane Leite (PRB) -, desde que ele apresente maiores chances de vitória.

Sem discurso de vítima – A mesma fonte afirma que a decisão de deixar o caminho livre para a candidatura de Simões visa evitar que o ex-deputado faça discurso de que é vítima de perseguição do próprio partido. Ainda assim, os próprios petistas avaliam que a apresentação de mais de um nome do campo de centro-esquerda na sucessão itabunense facilitará a investida do campo adversário, onde  desponta como favorito o deputado estadual Augusto Castro (PSDB).

Simões provavelmente desconfia das dificuldades que enfrentará como candidato petista em tal cenário. Tanto que tem conversado com lideranças de direita e há quem cogite a possibilidade de sua saída do PT até mesmo para uma legenda de oposição ao governo Rui Costa. Apesar de ter construído toda a sua carreira política dentro do partido, as mágoas do ex-deputado com os caciques estaduais podem encerrar uma militância de mais 30 anos.

DIRETÓRIO MUNICIPAL VAI REAGIR À APROXIMAÇÃO ENTRE PETISTAS E GOVERNO VANE

Barreto diz que não deu procuração a ninguém

Barreto diz que não deu procuração a ninguém

O presidente do diretório municipal do PT de Itabuna, Flávio Barreto, não parece preocupado com o flerte entre membros de seu partido e o governo Claudevane Leite. Hoje, o prefeito conversa com o secretário de Relações Institucionais, Josias Gomes, e o principal assunto da pauta é o possível ingresso da legenda na administração municipal.

Procurado por este blog, Flávio afirmou que seu posicionamento será externado no próximo sábado (14), em Salvador, onde ocorrerá reunião do diretório estadual do PT, ampliada com a participação dos diretórios dos 35 maiores municípios da Bahia. Exatamente aqueles nos quais os dirigentes estaduais pretendem decidir a política de alianças do PT.

No caso de Itabuna, o presidente estadual, Everaldo Anunciação, inclina-se a trabalhar pela reeleição do prefeito Claudevane Leite (PRB), respaldado no apoio do gestor à campanha do atual governador Rui Costa. Já o presidente municipal do PT defende o nome do ex-deputado federal Geraldo Simões como candidato do partido.

Sobre as tratativas envolvendo Claudevane e o titular da Serin, Barreto afirma não lembrar “do diretório municipal ter passado procuração pra ninguém (deliberar acerca do ingresso do PT no atual governo”).

VANE CONVERSA COM JOSIAS E PT PODE ENTRAR NO GOVERNO

vane josias

O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite (PRB), terá hoje uma conversa de pé de orelha com o secretário de Relações Institucionais da Bahia, Josias Gomes. Na pauta oficial, questões meramente administrativas. Já a agenda extraoficial é política pura.

Secretário e prefeito tratarão de um tema delicado, que há algum tempo divide os petistas itabunenses. Uns com crise de ansiedade, outros com extrema irritação.

A intricada questão é o possível ingresso do PT no governo de Itabuna e, consequentemente, o futuro apoio da legenda à reeleição do prefeito. Josias defende a ideia, com a qual pode fulminar de vez a carreira política do ex-deputado federal Geraldo Simões, também do PT.

A depender do que for resolvido na reunião, o Partido dos Trabalhadores poderá viver uma guerra interna em Itabuna, já que o diretório municipal é controlado por Geraldo e defende sua candidatura a prefeito em 2016.

Sorry. No data so far.




agosto 2017
D S T Q Q S S
« jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia